Como a DogHero melhorou as relações internas com conversas sobre diversidade e equidade de gênero

A DogHero é uma startup brasileira, criada em 2014 para conectar pessoas que precisam de hospedagem, creche ou passeio para seus cães a pessoas que podem prestar esses serviços.


Assim como tem acontecido em muitas startups, foram identificadas, a partir de uma pesquisa interna de clima, algumas questões em relação à diversidade de gênero: mulheres e pessoas LGBTQ+ demonstraram estar incomodadas com algumas atitudes nas relações entre as pessoas no trabalho, encontrando também dificuldades para conversar sobre essas questões dentro da empresa.


Informações e conversas construtivas para melhorar as relações


A solução proposta foi a realização de um conjunto de ações que promovessem um espaço de diálogo entre líderes e colaboradorxs sobre desigualdade de gênero e machismo no ambiente de trabalho.


Para isso, contei com a parceria da Rafize Santos, da Badass Mentoria, que promoveu ações com as mulheres da empresa, enquanto eu promovia ações com os homens.



Primeiramente, foi realizada a sensibilização dos líderes por meio de duas rodas de conversa distintas, uma apenas de homens, outra apenas de mulheres. O mesmo foi feito com todxs xs colaboradorxs e nesses dois momentos, foram utilizadas Estruturas Libertadoras, Art of Hosting e Thinking Enviroment, metodologias para criar conversas significativas e que gerem resultados relevantes, em um ambiente de apreciação e respeito entre as pessoas. Também foram apresentados dados e informações sobre os homens na sociedade, envolvendo a violência de gênero e as consequências dos estereótipos alimentados pela sociedade.


Por fim, foi promovido um Workshop de Introdução à Comunicação Não Violenta, com a realização de dinâmicas com o jogo Grok, promoção de diálogos significativos e um exercício de simulação de conversas violentas transformadas, a partir da CNV, em conversas construtivas, que promovessem conexão e diálogo reais.


Foi aberta uma porta para novos movimentos internos na empresa


Tínhamos como objetivo, com esse projeto, ampliar a consciência de colaboradorxs a respeito da desigualdade de gênero no trabalho, levando para eles conhecimento e informação sobre o tema.


Além disso, esperávamos promover o desenvolvimento de soluções práticas para a continuação do tema na cultura da empresa e para a promoção do diálogo e da empatia entre colaboradorxs, fomentando, assim, o protagonismo das mulheres no dia a dia e o posicionamento dos homens em relação a atitudes machistas.


Mesmo antes de realizar qualquer pesquisa para apurar resultados gerados por essa ação, já foi possível identificar a implantação, por parte de colaboradorxs, de novos costumes e rituais para conversar sobre os assuntos trabalhados. Isso demonstra que uma porta foi aberta para novos movimentos internos que fomentem diversidade e equidade de gênero dentro da empresa.